proteção da produtividade

Como proteger a produtividade na cultura do milho?

O milho é um dos principais grãos produzidos em todo o mundo, sendo o Brasil um dos maiores produtores e exportadores. Nos últimos anos, esse cenário tem sido melhor, devido ao uso da tecnologia na agricultura, com inovações que aumentaram a proteção da produtividade.

A utilização de novas técnicas de plantio, o maior conhecimento das doenças que afetam esse cultivo e o desenvolvimento de defensivos mais eficazes têm proporcionado um aumento da produção sem a necessidade de expandir a área plantada.

Para alcançar todo o potencial da sua propriedade, é fundamental entender como cuidar desse cultivo para ter plantas mais saudáveis e produtivas. É sobre isso que falaremos neste artigo. Continue lendo para conferir um panorama do milho no Brasil, as pragas que afetam a lavoura, como promover a proteção dela e a importância da utilização de defensivos agrícolas.

O cultivo do milho no Brasil

Por ano, são produzidas mais de 1 bilhão de toneladas de milho em todo o mundo, e o Brasil é um dos grandes produtores. Segundo a FAO (Organização para a Alimentação e Agricultura), a safra 2019/2020 aumentou a produção brasileira para 29,5 milhões de toneladas, o que coloca o país em segundo lugar no cultivo desse grão.

Durante muito tempo, o Brasil utilizou o milho como uma rotação de cultura para fechamento de plantio e alimentação de gado. No entanto, como explicamos, as lavouras desse cultivo agregaram muitas tecnologias e, com isso, foi possível alcançar mais produtividade sem aumentar as áreas plantadas.

Algumas tecnologias aplicadas no cultivo do milho envolvem, por exemplo, o desenvolvimento de híbridos, o controle de insetos e doenças, o tratamento industrial de sementes e máquinas e equipamentos mais rápidos e precisos.

No Brasil, são produzidas tanto as variedades de milho quanto espécies híbridas. No segundo caso, elas têm sido bastante exploradas para produção de milho de silagem, utilizado na alimentação de gado.

O milho para pipoca também é uma das grandes produções e exportações do Brasil, mas para consumo humano, em geral, é produzido o milho doce, plantado durante o ano inteiro. O milho branco, por sua vez, apresenta uma boa resistência às doenças e pode ser aproveitado para silagem e alimentação humana.

As principais pragas e doenças que afetam a lavoura

As mudanças que aconteceram na produção de milho foram positivas, uma vez que possibilitaram alcançar maior produtividade. No entanto, as novas formas de manejo desse cultivo também provocaram alterações na população de patógenos.

Assim, além de se preocupar com pragas como as lagartas, percevejos, corós e larvas, o produtor encontra um grande desafio com as doenças que afetam o milho. Afinal, embora os híbridos tenham uma boa produtividade, alguns são mais sensíveis a elas e sofrem perdas significativas.

Portanto, é preciso ter atenção na hora de escolher o híbrido e optar por aquele que apresente melhores retornos. Isso também implica na adoção de produtos eficazes que consigam atender todas as janelas de semeadura, sendo abertura, meio e fechamento.

Como acontece com outros tipos de cultivo, existem algumas doenças que são mais comuns na cultura do milho aqui no Brasil. Veja a seguir.

Mancha branca (Phaeosferia maydis)

Afeta inicialmente folhas inferiores, progredindo para as superiores. Provoca perda de produtividade de até 30%.

Cercosporiose (Cercospora maydis)

Provoca a perda da área foliar, afetando a fotossíntese da planta. Essa doença reduz a produtividade em até 80%.

Ferrugem polissora (Puccinia polyssora)

É percebida pela formação de pústulas nas folhas das plantas, principalmente em sua parte superior, reduzindo a área foliar. Provoca perdas de cerca de 65% na produção.

Ferrugem tropical (Phizopella zeae)

Forma pústulas arredondadas que se espalham em pequenos grupos em ambas as faces da folha, trazendo perdas de até 60%.

Diplodia (Diplodia maydis)

Manifesta manchas similares às de turcicum, mas que apresentam borda amarelada e um picnídio no centro. Também afeta a espiga, colonizando-a por inteiro.

Helmintosporiose (Exserohilum turcicum)

Formam-se lesões de cor palha com bordas bem definidas. Em plantas adultas podem se tornar avermelhadas ou amareladas. A perda na produtividade pode ser acima de 50%. O milho é atacado, ainda, por enfezamentos vermelho e pálido, que pode afetar 100% das plantas. Também podridões de colmo e grãos ardidos, ambos causados por colonização de fungos.

Essas doenças variam de acordo com a região e a época do ano, por isso, apresentam graus de importância similares. De toda forma, algumas provocam perdas maiores na lavoura e podem ser mais difíceis de controlar. Daí a importância da utilização de produtos eficazes de amplo espectro.

As preocupações do produtor também estão se voltando para a maior severidade que a antracnose foliar tem apresentado em algumas regiões do Brasil. Já o ataque dos fungos Stenocarpella maydis e S. Macrospora trazem prejuízo com as podridões.

Os cuidados para proteger a produtividade

Para garantir a boa produtividade no cultivo do milho, a recomendação inicial é a escolha do cultivar. É importante optar por aqueles que apresentam maior resistência, afinal, como explicamos, alguns híbridos são mais suscetíveis às doenças.

Lembrando que elas se manifestam em períodos críticos, ou seja, momentos em que as condições ambientais são mais favoráveis para o seu desenvolvimento. Portanto, outro cuidado essencial na proteção da produtividade é fazer o plantio na época mais adequada, evitando a coincidência com esses períodos.

Como os fungos são grandes causadores de doenças no milho, é sempre importante utilizar sementes de boa qualidade. Isso não envolve apenas a escolha daquelas ideais, mas também as que sejam tratadas com fungicidas de ação prolongada.

A rotação de cultivares é mais uma boa prática. Essa estratégia garante a proteção da produtividade quando são utilizadas culturas que não apresentam suscetibilidade às doenças que afetam o milho. Dessa forma, é possível quebrar o ciclo dos patógenos.

Não se esqueça de que é preciso determinar a população ideal, pois a densidade de plantas na lavoura implica em uma maior ou menor produtividade. Isso se dá porque elas competem entre si quando a densidade é muito alta, reduzindo a quantidade de espigas por área.

Por fim, é preciso fazer a manutenção da sua lavoura de milho, realizando o controle de pragas e das doenças, assim como plantas daninhas invasoras. Esses agentes afetam o cultivo pela competição por espaço, a destruição das plantas, das espigas e o comprometimento da sua saúde.

O uso de defensivos agrícolas na lavoura

Como o milho é suscetível a diversas pragas e doenças, o uso de defensivos agrícolas é fundamental para garantir a proteção da produtividade. Entre esses produtos, os fungicidas são aqueles que têm um grande destaque por contribuírem com o controle de diferentes doenças.

É interessante saber que os híbridos com suscetibilidade maior para doenças também apresentam uma melhor resposta aos fungicidas. A efetividade deles é aumentada e há um melhor impacto em sua produtividade.

Formulações com um espectro mais amplo facilitam o dia a dia do produtor por tratarem diversas doenças com eficácia. Além disso, não se esqueça de que esses produtos precisam conter ingredientes ativos e proporções balanceadas de acordo com a realidade brasileira, considerando o clima e a pressão das doenças.

Como uma das formas de controle delas é a rotação de culturas, é interessante que o produtor prefira os fungicidas versáteis, que possam ser aplicados em outras culturas, como soja, trigo e feijão, além de conter micotoxinas que ajudam a aumentar a qualidade dos grãos.

A proteção da produtividade do milho, portanto, é alcançada por meio da atenção às recomendações da Embrapa, sendo:

  • utilização de cultivares resistentes;
  • plantio na época adequada;
  • utilização de sementes de boa qualidade;
  • tratamento das sementes com fungicidas;
  • rotação com culturas não suscetíveis;
  • adubação equilibrada;
  • adequação da população de plantas;
  • controle de pragas e doenças;
  • colheita na época correta.

A associação dessas boas práticas com defensivos agrícolas eficientes garante a proteção da produtividade para que você consiga um maior número de espigas por área. Desse modo, você terá um melhor retorno com a safra, sem a necessidade de expandir a área plantada.

Muitos produtores enfrentam desafios para proteger a lavoura de milho, então, compartilhe este conteúdo em suas redes sociais para que outras pessoas tenham acesso a essas informações!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.