Colheita do algodão

Confira 5 dicas essenciais para otimizar a colheita do algodão!

A adoção de boas práticas agrícolas e estratégias operacionais no cultivo e colheita do algodão é fundamental para garantir altas produtividades em cada safra. São os avanços nesses aspectos que estão colocando o Brasil em destaque no ranking mundial da cotonicultura.

Apesar do bom desempenho da agricultura brasileira, os produtores enfrentam diversos desafios para garantir a boa safra e a qualidade do produto. Pensando nisso, preparamos este artigo para trazer algumas dicas que ajudarão você a otimizar a sua lavoura.

Continue a leitura para saber um pouco mais sobre a cotonicultura no Brasil, as técnicas e práticas que contribuem para otimizar a produção e a importância de utilizar os produtos adequados para alcançar resultados ainda melhores.

Como o Brasil se destaca na produção de algodão?

De acordo com a ABRAPA (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão), o Brasil está entre os cinco maiores produtores desse cultivo no mundo. O seu destaque é maior para a produtividade em sequeiro, na qual ele ocupa o primeiro lugar.

A colheita estimada é de cerca de 2,7 milhões de toneladas, sendo que o Mato Grosso tem uma grande representatividade, pois é responsável por 66% do algodão produzido no Brasil. O aumento das áreas de cultivo proporcionou para o nosso país o 5º lugar no ranking mundial.

Atualmente o Brasil tem cerca de 1,072 milhão de hectares dedicados para cotonicultura. Mas não foi somente o aumento da área plantada que contribuiu para esse bom resultado. A agricultura brasileira também tem adotado novas tecnologias e boas práticas agrícolas para garantir altas produtividades da lavoura, assim como a maior qualidade do produto.

Como otimizar a produção?

O cultivo e colheita de algodão requer atenção especial em cada detalhe do sistema produtivo. As atenções desde o bom preparo do solo, garantia de suprimento dos nutrientes adequados, fornecimento da irrigação correta e do manejo fitossanitário adequado, garantindo a proteção das plantas contra pragas e doenças.

Veja, a seguir, as principais dicas para otimizar o cultivo e colheita de algodão em sua propriedade, para que você também contribua com o destaque do Brasil na cotonicultura.

1. Faça a correção do solo

O solo brasileiro é tipicamente ácido, apresentando variações físico-químicas e biológicas, dependendo de cada região, e até mesmo variando de uma propriedade para outra. Essas características podem prejudicar o desenvolvimento do algodoeiro.

Sendo assim, a primeira medida a ser adotada pelo produtor é conhecer o solo e corrigi-lo, quando necessário. É fundamental analisar uma amostra para conhecer as suas características e identificar se a propriedade tem um solo médio, argiloso, mal drenado ou compactado.

Todas essas informações ajudam a definir quais serão as melhores estratégias para adequar a área de plantio. Além disso, indicam quais produtos devem ser utilizados e a quantidade adequada para corrigir a química do solo, disponibilizar nutrientes e controlar possíveis pragas e plantas daninhas antes mesmo de iniciar a semeadura.

2. Respeite o espaçamento adequado

Toda planta precisa de espaço para se desenvolver, e isso não é diferente com o algodoeiro. A superpopulação, em vez de aumentar a produtividade como alguns agricultores esperam, promove um efeito contrário, prejudicando o desenvolvimento.

As plantas vão competir entre si quando houver muitas na mesma área. Haverá disputa por nutrientes e luminosidade, o que vai prejudicar todas elas. Então, é fundamental respeitar o espaçamento adequado para o algodoeiro.

A recomendação geral é um espaçamento de 0,76 m a 0,90 m entre as fileiras. Em cultivos com 10 plantas/m², mais densos, o espaço recomendado é de 0,45 a 0,50 m. Quando são cultivadas variedades com porte maior, o ideal é não ultrapassar o limite de 8 plantas/m².

É válido ressaltar que, para trabalhar com cultivos mais densos, o ideal é que o solo seja fértil e o produtor dê preferência para as variedades de algodão com porte menor.

3. Escolha a época certa para plantio

Não existe um padrão que determine qual é a melhor época para plantio e colheita do algodão no Brasil. É preciso observar a incidência de chuvas em cada região, assim como o zoneamento. Além disso, a época pode variar de acordo com o sistema adotado por cada propriedade.

O mais usual é a semeadura em época normal (novembro e dezembro) e na safrinha (janeiro e fevereiro). No primeiro caso, teremos apenas uma safra no ano, mas com plantas que atingirão sua máxima produtividade. No segundo, a semeadura é feita após a colheita da soja.

É fundamental fazer o planejamento para realizar o plantio na época escolhida da melhor maneira possível. Quando não adotamos a melhor estratégia, há grandes chances de perdas na produtividade e, consequentemente, menor retorno para o produtor pela dificuldade de manejo da lavoura.

4. Faça o correto manejo fitossanitário

A cultura do algodão é bastante sensível às plantas daninhas. Além do impacto no desenvolvimento das plantas, a produtividade é muito afetada por diferentes espécies invasoras durante todo o ciclo.

Portanto, é indispensável fazer o manejo desde a pré-semeadura até nas primeiras semanas após a emergência das plantas de algodão. Isso porque o estádio inicial da cultura do algodão é muito impactado quando dividem espaços com plantas daninhas, afetando de forma drástica a produtividade no futuro.

Os herbicidas devem ser aplicados no pré-plantio, na pré e no pós-emergência da cultura. Os herbicidas são recomendados de acordo com a espécie presente na lavoura, pois dessa forma os resultados são mais efetivos e não comprometem o cultivo.

Além das plantas daninhas, a lavoura de algodão requer extrema atenção ao manejo de pragas e doenças. O bicudo-do-algodoeiro é a principal praga na cultura e traz sérios prejuízos na produtividade do algodão, mas outras espécies de pragas também podem afetar a lavoura, como a broca-da-raiz, o pulgão-do-algodoeiro, a mosca-branca, a lagarta-falsa-medideira, os ácaros, a mancha angular, a mancha de ramulária, e assim por diante.

Como o produtor precisa lidar constantemente com diversos desafios, é importante escolher corretamente os produtos que serão utilizados para o preparo do solo, das sementes e o cuidado com o algodoeiro, desde a sua germinação até a colheita do algodão.

O ideal é identificar adequadamente o problema e definir o momento certo de agir, optando pelo defensivo que tenha uma ação efetiva, especificamente naquela praga ou doença. No manejo de pragas, é fundamental escolher formulações que não reduzam a população de espécies inimigas daquelas que estão trazendo problemas.

Outro cuidado fundamental é o de optar por produtos que apresentem eficácia com um menor número de aplicações, para minimizar os custos com a produção. Ele ainda precisa ter uma fácil aplicação e amplo espectro, mantendo a proteção da lavoura por mais tempo.

Como você viu, para alcançar bons resultados com a colheita do algodão é preciso adotar cuidados antes mesmo da semeadura, oferecendo às plantas o ambiente ideal para o seu bom desenvolvimento. Assim, elas crescerão saudáveis e você alcançará a máxima produtividade com qualidade.

Gostou das dicas? Então, acompanhe as postagens em nossas redes sociais para conferir mais temas interessantes! Estamos no Facebook, Instagram e YouTube e LinkedIn.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.